Boletim Sintunesp – 22/07/2013

boletim_sintunesp_topo_22-7

Representantes da maior parte dos campi já confirmaram participação na assembleia estadual que o Sintunesp realiza nesta quarta-feira, dia 24 de julho, no campus de Bauru, com concentração a partir das 11 horas. O objetivo é avaliar conjuntamente o movimento dos servidores técnico-administrativos e definir os próximos passos da luta.

Será um momento de troca de informações e de experiências em meio à importante greve que a categoria vem protagonizando.

Impasse

A última negociação entre Sintunesp e reitoria aconteceu no dia 10/7, sendo acompanhada por um novo ato dos servidores do lado de fora.

Os representantes do Sindicato expuseram ao reitor, professor Julio Cezar Durigan, e aos demais membros da reitoria presentes a posição unânime das assembleias de base, que rejeitaram a proposta de equiparação apresentada na negociação anterior, considerando-a absolutamente insuficiente diante da justa reivindicação de isonomia com a USP.

O reitor também ouviu dos diretores sindicais a contraproposta da categoria (abaixo), mas disse não ter condições de atendê-la. Ele anunciou uma nova proposta, de pagamento de uma referência para todos os servidores técnico-administrativos, na folha de agosto, a ser recebida em setembro, e reajuste de R$ 100,00 no vale-alimentação, que vai para R$ 600,00.

Segundo Durigan, as propostas de equiparação (a que a reitoria apresentou no dia 4/7 e a que o Sindicato expôs nesta atual negociação) serão levadas à reunião do Conselho Universitário em agosto, marcada para o dia 15.

A contraproposta do Sintunesp é a que prevê:

  • Considerando o reajuste de 3,415% oferecido aos docentes, que o mesmo índice seja conferido aos servidores igualmente na forma de reajuste.
  • Para iniciar a equiparação, concessão de quatro referências para todos os servidores ainda neste ano.
  • Restante da equiparação dividido em até dois anos.

Ação nas unidades

O Sintunesp criticou bastante a criação desta “nova” instância de negociação por parte da reitoria, lembrando que o CO e os demais órgãos colegiados destinam-se a outras finalidades. A transferência do debate sobre a isonomia para o CO apenas burocratiza o processo. Porém, se é isso que vai ocorrer, o Sindicato orienta os servidores a agendarem reuniões com os diretores nas unidades, para cobrar deles qual será sua postura diante do assunto, bem como solicitar, onde possível, reuniões abertas das congregações locais.

Sem luta, não tem conquista! Servidores da Unesp, presentes!

Faça um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *